• Pesquisar
  • Abrir menu

Piodermite em cães, o que é e como tratar

Um problema de saúde bastante comum entre os caninos é a piodermite, uma infecção bacteriana que pode atingir a pele do seu pet..
Tempo de leitura: 5 minutos.

Coceira frequente e caroços na pele são alguns dos principais sintomas. Ter um cachorro é uma escolha prazerosa. Famoso por trazer alegria para a casa, esse animal é ótimo para quem gosta de animação, com visitas a parques, praças e brincadeiras.

Como qualquer outro pet, os cachorros demandam cuidados de saúde, o que envolve fatores como a alimentação, vacinação, higiene, controle de parasitas, entre outros.

- Como posso saber se meu cachorro tem pulgas?
- Como acabar com as pulgas do seu cachorro
- Doença do carrapato: saiba quando recorrer a um profissional

Um problema de saúde bastante comum entre os caninos é a piodermite, uma infecção bacteriana que pode atingir a pele do seu bichinho. Por isso, se você tem precisado combater problemas de pele do seu pet, saiba como identificar e tratar essa doença.

A doença

A piodermite pode atingir a pele do seu cachorro de três maneiras: externa, superficial e profunda. A profundidade da lesão é o que diferencia as formas da doença no pet. O reconhecimento do tipo de infecção deve ser determinado por um(a) veterinário(a) dermatologista.

A bactéria causadora desse problema de pele é a Staphylococcus pseudintermedius específica do organismo canino. Esse microorganismo não costuma prejudicar a saúde do animal se ele estiver com o sistema imunológico funcionando bem. Mas, se houver um crescimento anormal dessa bactéria, pode surgir a piodermite. A doença não é contagiosa.

Qualquer doença interna predispõe ao aparecimento da piodermite canina, contudo, as causas mais comuns associadas a esse quadro são doenças hormonais, doenças alérgicas e demodicose. Na maioria dos casos, a piodermite ocorre associada a outras doenças subjacentes. É muito raro o surgimento desse problema em peles saudáveis.

Em comparação a outros animais, a piodermite ocorre mais em cães por algumas razões. A primeira é que os caninos possuem uma flora bacteriana residente. Os cães também são acometidos por mais doenças que causam coceira e facilitam a fixação e penetração de bactérias.

Além disso, os cães também apresentam ausência de encaixe folicular e alterações da barreira cutânea (como síntese de lipídios alterada e deficiência de filagrina), além de apresentarem fenômenos que favorecem doenças de pele, como se lamber com frequência.

Sinais

É sempre bom ficar atento a possíveis sinais de que o seu cão possa estar com algum problema de saúde. No caso da piodermite, coceiras frequentes e incessantes são o principal sintoma. Além disso, também pode haver a queda dos pelos e o surgimento de caroços e bolinhas de pus pelo corpo do cachorro.

Assim que notar esses sinais em seu bichinho, é importante levar o animal para uma análise cuidadosa de um(a) veterinário(a) dermatologista para averiguar se é piodermite e se existem outras doenças associadas a isso. É preciso realizar exames físicos no animal para observar a lesão, incluindo os laboratoriais que permitem visualizar as bactérias.

Tratamento

Para tratar a piodermite canina, é recomendado o uso de antibióticos e produtos  tópicos como shampoo específicos para esse problema, que ajudam a amenizar a coceira e a aliviar as crostas provocadas pela infecção.

Além dos shampoos, é possível aplicar géis, sprays e cremes. É importante lembrar que, antes de administrar medicamentos ou aplicar produtos especializados no seu cachorro, é importante que ele seja submetido à avaliação de um profissional para o fornecimento dos melhores tratamentos e a apuração correta das causas da doença.

Infelizmente, a piodermite não é uma doença que se pode prevenir, já que ela está relacionada principalmente ao estado do sistema imunológico do cachorro. Por isso, uma terapia antibiótica será o mais adequado na tentativa de resolver o problema sem recorrências.

Mesmo após ser submetido ao tratamento, o animal pode voltar a ser incomodado pela doença, o que pode indicar que o tratamento inicial não foi suficiente. Nesses casos, é essencial retornar ao veterinário e buscar outros caminhos para controlar a doença.

...

Author: Mundo Pet