Tecnologia

A 'agricultura indoor' de $100 milhões dos Emirados Árabes

Com pouca água, temperaturas abrasadoras e pouca terra arável, os Emirados Árabes Unidos importam atualmente 80% de seus alimentos. Mas isso pode mudar em breve.

Em um parque industrial construído numa estrada no árido deserto entre as cidades de Abu Dhabi e Dubai, uma moderna fazenda totalmente fechada, em breve cultivará tomates sob luzes de LED em um armazém climatizado próximo de uma instalação de produção de plástico e outras fábricas.

País importa 80% de todo alimento que consome.

A fazenda, a primeira do mundo a cultivar tomates comercialmente apenas usando luz artificial, é parte de um esforço para impulsionar a produção de alimentos nos Emirados Árabes Unidos, onde 80% dos alimentos são importados. O governo entendeu que para diminuir a dependência da importação de alimentos, o país precisará desenvolver novas maneiras de cultivo de alimentos em um clima desértico, com pouca chuva e temperaturas que permanecem regularmente acima de 40 graus.

O Escritório de Investimentos de Abu Dhabi, um centro do governo que incentiva negócios, está investindo $100 milhões em quatro empresas de agtech, incluindo:

A Madar Farms, a startup que está construindo a 'fazenda indoor' de tomates;
A Aerofarms, uma empresa agrícola vertical de Nova Jersey que construirá um novo e enorme centro de P&D;
A RDI, uma startup que desenvolveu um novo sistema de irrigação que possibilita o cultivo de plantas em solo arenoso;
E RNZ, uma startup que desenvolve fertilizantes que permitem cultivar mais alimentos com menos recursos.

 Programa de $272 milhões. 

Os investimentos são os primeiros de um programa de $272 milhões para apoiar a agtech.

"A Agtech fará parte da solução de como podemos utilizar melhor a água, como podemos ser mais eficientes e como podemos aumentar o rendimento nas fazendas", diz Tariq Bin Hendi, diretor geral do Escritório de Investimentos de Abu Dhabi. "Estamos adotando a tecnologia porque sabemos que é o futuro".

A agricultura indoor, que cultiva alimentos em muito menos espaço e com muito menos água do que a agricultura tradicional (e sem estar sujeita a temperaturas extremas ao ar livre), faz um sentido particular na área. "Primeiro, temos que lidar com um suprimento muito limitado de terras aráveis", diz Abdulaziz Al Mulla, CEO da Madar Farms.

“Portanto, qualquer tipo de método de produção que usarmos deve ser independente da terra. Em segundo lugar, o modo atual de produção se baseia demais em nossas preciosas reservas de água. No ritmo que estamos indo, podemos ficar sem água nos próximos 50 anos. ” Os sistemas hidropônicos da empresa, como os de outras fazendas de interior, tem capacidade para reciclar cerca de 95% da água que usam. A nova fazenda de 53.000 metros quadrados será concluída até o final do ano e inicia a produção no início de 2021.

Em Abu Dhabi, a Aerofarms usará o novo investimento para construir uma instalação de 90.000 metros quadrados para dar continuidade a sua pesquisa sobre como cultivar alimentos em lugares fechados, incluindo novas pesquisas sobre o melhoramento de sementes que são otimizadas para condições de cultivo interno.

"Temos conversado com pessoas nos Emirados Árabes há um bom tempo", diz David Rosenberg, CEO da Aerofarms. “Uma parte do nosso modelo de negócios, é a maneira que pensamos: qual é a nossa proposta de valor mais importante? Onde há muitas pessoas sem acesso a alimentos frescos? E o básico - onde há escassez de água, escassez de terras aráveis. ” Em Nova Jersey, a Aerofarms trabalha em uma série de edifícios adaptados para o cultivo indoor - uma fábrica de aço abandonada, uma antiga instalação de paintball, uma casa de shows abandonada -, mas a nova instalação de P&D nos Emirados Árabes Unidos será projetada do zero.

Mais de 60 engenheiros e cientistas se dedicarão ao estudo da ciência de plantas e automação no novo centro. "Queremos cultivar mais plantas, entender como é possível ter um desenvolvimento melhor, como atingir esse desenvolvimento com menor custo de capital e custos operacionais menores", diz Rosenberg.

Produzir três toneladas de verduras por dia,  no deserto.

"Tudo isso é resultado da capacidade de entender as plantas". Ao crescer em um ambiente controlado, ele diz, é mais fácil entender as variáveis ​​que afetam fatores como taxa de crescimento, nutrição e sabor. No passado, a empresa se concentrava principalmente em fatores ambientais, como a “receita leve” ou a temperatura certa para fazer as plantas crescerem bem.

Agora também estudará a criação. "A maioria dos criadores de sementes trabalha para otimizar a resistência à seca, ou resistência a pragas", diz ele. "Aqui, porque é totalmente controlado, podemos nos concentrar no sabor, textura, rendimento, nutrição".

 Os novos investimentos contribuem para um setor agrícola pequeno, mas crescente, na região. Uma startup chamada Badia Farms cultiva microgreens dentro de um armazém e os entrega a restaurantes locais em Dubai, onde o Ministério de Mudanças Climáticas e Meio Ambiente fez um acordo para estabelecer 12 fazendas verticais.

No meio do deserto, a Pure Harvest Smart Farms cultiva tomates em uma estufa climatizada com abelhas importadas. Em uma cidade nos arredores de Dubai, uma fazenda coberta cria salmão em grandes piscinas circulares controladas por computador.

Espera -se que uma fazenda coberta de 130.000 metros quadrados de uma startup chamada Crop One , produzindo três toneladas de verduras por dia, seja inaugurada em Dubai ainda este ano.

As mudanças climáticas e o cultivo de alimentos.

O setor de agricultura de interior ainda é incipiente, e é possível que a nova onda de apoio nos Emirados Árabes Unidos possa ajudar a impulsioná-lo. Os desafios mais pronunciados no deserto também existem em outros lugares: nos EUA, por exemplo, a maioria das alface é cultivada na Califórnia e no Arizona, onde a escassez de água continuará aumentando com a mudança climática.

Abu Dhabi e Dubai também estão testando a tecnologia projetada para ajudar em outras partes do sistema alimentar, incluindo tecnologia que pode reduzir o desperdício de alimentos em restaurantes, drones que podem mapear plantas em fazendas ao ar livre para economizar recursos e cavernas artificiais no Golfo Pérsico, destinadas a ajudar o estoque de peixes a crescer. "Realmente precisa haver uma coordenação abrangente entre diferentes soluções, se você realmente deseja construir um setor verdadeiramente resiliente e com segurança alimentar", diz Al Mulla.

 

Redação MundoZ!
Author: Redação MundoZ!
Se você gostou do nosso artigo curta, compartilhe com seus amigos. Isso nos ajuda a continuar criando matérias interessantes e conteúdos incríveis para nossos leitores.

Topo